Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Minha Casa, Minha Vida.

O Programa Minha Casa, Minha Vida (PMCMV) vai contratar mais 700 mil unidades habitacionais, em 2014. Até o momento foram contratadas mais de 3 milhões de moradias, sendo 2,065 milhões no atual governo. A meta é chegar com 2,750 milhões de casas contratadas até o final de 2014. De acordo com dados do Ministério das Cidades, o número de moradias entregues soma 1,4 milhão. Até o fim deste ano, a previsão é de que sejam contratadas 695,1 milhões de moradias, contra 818,3 milhões em 2012. 

O investimento total realizado até o momento no Minha Casa, Minha Vida foi de R$ 193 bilhões. A previsão para 2014 é que os recursos investidos totalizem R$ 234 bilhões. Ainda pelos cálculos do Ministério, cada R$ 1 milhão investido no programa gera 32 postos de trabalho e R$ 744 mil de renda adicional no país. O ministério estima ainda que as moradias financiadas hoje pelo programa representam 0,7% do estoque total. Em 2012 foram gerados 1,26 milhão de empregos diretos e indiretos. 

Para 2013 a previsão é de atingir 1,27 milhão. As compras de materiais e serviços adicionadas pelo programa foram de R$ 22 bilhões e a renda injetada na economia brasileira, segundo a estimativa do ministério, totalizou R$ 30 bilhões em 2012, o equivalente a 0,6% do Produto Interno Bruto (PIB) nacional. 

Para a CBIC, um dos grandes méritos do programa foi trazer para a formalidade um conjunto de unidades habitacionais que vinham sendo produzidas na informalidade. A formalização vai desde a localidade onde a casa vai ser construída até a construtora que vai erguê-la. (Fonte: Brasil Econômico) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário