Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Madeira, só a de verdade!!! O resto é engodo !!!

Uma lei federal determina punições para quem
 usar expressões como “couro sintético” e “couro ecológico”. O texto legal estabelece que, por 
tratar-se de um produto natural, adjetivá-lo 
seria um engodo. Couro é couro e pronto. Não deveria haver algo parecido no que se 
refere à madeira?


No dia 9 de dezembro de 1965 foi assinada e entrou em vigor a lei federal número 4.888 que estabelece parâmetros para o uso da palavra “couro”. “A lei proíbe a utilização do termo couro em produtos que não sejam obtidos exclusivamente de pele animal. A sua infração constitui crime de concorrência desleal previsto no artigo 196 do Código Penal, cuja pena é detenção do infrator de 3 meses a 1 ano, ou multa.”

A campanha foi lançada em 2013 pelo Centro das Indústrias de Curtumes do Brasil (CICB). Segundo o presidente executivo da entidade, José Fernando Bello, o esclarecimento desta lei à população é uma das grandes ações da entidade para este ano. “A campanha é importante principalmente para as gerações mais jovens.” Confira em: http://www.cicb.org.br/?p=8269.

Conscientizar o mercado e chamar a atenção do consumidor, muitas vezes vítima do jogo de palavras e da desinformação, é uma atividade estratégica para empresas e suas entidades setoriais. A exemplo do setor coureiro, o madeireiro padece de males muito parecidos. Fabricantes de produtos que utilizam matérias-primas originárias de extrativismo, que muitas vezes têm forte impacto ambiental, apresentam-se aos consumidores por meio da mídia travestidos de verdes, ecológicos. Exemplos não faltam. São anúncios e manchetes sobre “madeira ecológica”, “madeira plástica” ou “madeira cerâmica”. Todos eles, invariavelmente, anunciam a “vantagem” de deixar as árvores em pé nas florestas. Chegam a ser cínicos esses argumentos.

Madeira é, na verdade, o único material de fato ecológico para fins construtivos. Ao contrário dos concorrentes, é 100% renovável e cria ativos de carbono na forma de casas, mourões, dormentes e postes de madeira. Produzir madeira em florestas plantadas, ou em manejo sustentado, ajuda a expandir a população arbórea e acelera a transformação de carbono em lenho, contribuindo para diminuir o ritmo de aquecimento do planeta. Seu desempenho físico-mecânico e a capacidade de suportar cargas são excepcionais. Sua textura natural e trabalhabilidade são qualidades incomparáveis. Com tratamento preservativo ganham uma vida útil estendida por décadas e podem ser recicladas ao final de seu ciclo.

Se existe legislação que protege produtos naturais das falsificações, o que é justo, ela deveria contemplar o setor como um todo. A valorização que decorre da ação legal contra a fraude, no caso da madeira, pode trazer ganhos expressivos em escala. Madeira é uma riqueza e, como tal, precisa ser protegida para continuar valiosa. Para o Brasil, que está entre os países de maior vocação florestal do planeta, ter compreensão plena deste fato é ainda mais relevante.

Rogildo Gallo
Diretor superintendente da Montana Química S.A

Nenhum comentário:

Postar um comentário