Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Consumidor mais confiante em agosto.

Índice de Confiança do Consumidor (ICC) da Fundação Getulio Vargas subiu 4,4% entre julho e agosto de 2013, para 113,1 pontos, recuperando as perdas ocorridas em junho e julho, período mais intenso das manifestações populares. Apesar da recuperação do tombo em julho, o nível do  índice de agosto é ainda baixo em termos históricos, situando-se a meio caminho entre os resultados de maio e junho passado.

Índice da Situação Atual (ISA) avançou 7,3%, após recuar 9,7% no mês anterior, refletindo a diminuição do grau de insatisfação com a situação econômica atual. . Em 117,2 pontos, o ISA ainda encontra-se bem abaixo da média dos últimos cinco anos (127,8).

Já as expectativas em relação aos meses seguintes tornaram-se mais otimistas.  O Índice de Expectativas (IE)fechou em alta de 3,5%, para 110,4 pontos, o melhor resultado desde janeiro de 2013 (110,5), e um nível superior à média, de 108,0 pontos.

O quesito que mede o grau de satisfação dos consumidores com a economia atual foi responsável pela evolução favorável do ICC este mês. O indicador aumentou 17,4% em agosto, recuperando parte da forte influência negativa verificada dos dois meses anteriores, quando havia caído 20,3%. Entre julho e agosto, a proporção de consumidores  que avaliam a situação atual da economia como boa subiu de 14,9% para 17,4%, enquanto a dos que a julgam  ruim caiu de 47,1% para 37,8%.

Com relação aos seis meses seguintes, houve melhora no quesito que mede o otimismo em relação à economia. O indicador avançou 7,5%, ao passar de 103,4 pontos para 111,2 pontos, o maior desde janeiro de 2013 (112,4). A parcela de consumidores projetando melhora da situação econômica aumentou de 27,9% para 29,8%; a dos que preveem piora diminuiu de 24,5% para 18,6%.

Sondagem de Expectativas do Consumidor é feita com base numa amostra com cerca de 2.000 domicílios em sete das principais capitais brasileiras. A coleta de dados para a edição de agosto de 2013 foi realizada entre os dias 01 a 20 de agosto.

Fonte: FGV

Nenhum comentário:

Postar um comentário