Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

quarta-feira, 22 de maio de 2013

Os riscos do amianto.

Imagem: Reforma & Construção.




Os pesquisadores das universidades Campinas (Unicamp), Federal de São Paulo (Unifesp), Universidade de São Paulo (USP), universidades públicas e consultores internacionais não encontraram alterações clínicas, funcionais respiratórias e tomográficas de alta resolução, passiveis de atribuição à inalação ambiental a fibras de asbesto (amianto) na população brasileira. A pesquisa Asbesto Ambiental – “Exposição Ambiental ao Asbesto: Avaliação do Risco e Efeitos na Saúde” foi coordenada pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) com apoio do Governo de Goiás, CT - Mineral e do Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC).

Em mais de cinco anos de pesquisas em centros urbanos de São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Goiás e Pernambuco, foram avaliados moradores que utilizam telhas de fibrocimento, além de trabalhadores que atuam e atuaram com o amianto nas minerações. No Brasil, segundo estatísticas oficiais, mais de 50% das residências são cobertas com telhas de fibrocimento cuja matéria-prima é o amianto crisotila, e, além disso, o País destaca-se como terceiro maior produtor mundial desse minério.

Com relação à avaliação de trabalhadores e ex-trabalhadores da mineração de amianto no Brasil e que tinham sido avaliados em projeto inicial realizado entre os anos de 1996 e 2000, os resultados mostraram maior incidência de placas pleurais e asbestose entre os indivíduos expostos no período de 1940 a 1966 e, em freqüência menos relevante, entre 1966 e 1976 e com decréscimo acentuado entre os expostos a partir de 1977, principalmente a partir de 1980, quando dos quatro casos de placas pleurais identificados dois se tratavam de trabalhadores por longo tempo na indústria do fibrocimento, decréscimo atribuído à redução dos níveis de exposição ocupacional às fibras de amianto pela implementação de controles.

Os dados foram divulgados em Brasília, DF, durante evento realizado a convite do Governo do Estado de Goiás, Confederação Nacional dos Trabalhadores das Indústrias, Confederação Nacional da Indústria (CNI), Associação Nacional dos Comerciantes de Material de Construção (Anamaco) e o Instituto Brasileiro do Crisotila (IBC).

Derli dos Reis
Jornalista

Nenhum comentário:

Postar um comentário