Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

segunda-feira, 25 de agosto de 2014

Pessimismo da indústria da construção para o próximo semestre.


Esperar pela queda dos números de serviços, de compra de matérias-primas e insumos, na redução de empregados e de novos empreendimentos da construção civil é algo um tanto pessimista para os empresários da indústria do setor, com relação aos próximos seis meses, conforme pesquisa que registrou os indicadores de 49,6 pontos de expectativa e de 49 pontos para novos serviços e empreendimento. Os valores variam de zero a cem pontos e abaixo de 50 revelam expectativas negativas. A falta de confiança dos empresários é resultado da retração da atividade no setor.

A Sondagem Indústria da Construção, realizada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), e divulgada no último dia 22, também mostrou que em agosto o indicador de expectativa de compras de matérias-primas caiu para 48,2 pontos e o de número de empregados recuou para 48,5 pontos.


Em julho, o indicador do nível de atividade caiu para 44,9 pontos e o de nível efetivo em relação ao usual baixou para 42,3 pontos. Com isso, o indicador de número de empregados recuou para 44,2 pontos, o menor da série histórica, o que confirma a disseminação da retração do emprego no setor no mês passado. O nível de utilização da capacidade instalada se manteve em 69%.

Segundo a CNI, é a primeira vez que o indicador mostra pessimismo em relação ao futuro do setor, desde dezembro de 2009, quando a pesquisa começou a ser feita. O estudo foi realizado entre 1º e 12 de agosto, com 572 empresas, das quais 193 de pequeno porte, 244 médias e 135 grandes. 
Fonte: Portal da Indústria. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário