Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

domingo, 7 de dezembro de 2014

Otimistas, mesmo que a médio e longo prazos.

Os empresários da indústria da construção estão otimistas com a possibilidade de crescimento em 2015, mesmo que a médio e longo prazos, mostrou a 61º Sondagem Nacional da Indústria da Construção, realizado pelo SindusCon-SP e FGV, na primeira quinzena de novembro. Foram consultadas 150 empresas.

Com relação à condução da política econômica, a percepção dos empresários melhorou, mas permanece baixa. As expectativas sobre a obtenção de mão de obra qualificada melhoram, estimuladas pela percepção de que o enfraquecimento da atividade ao longo do ano facilitará o cenário para contratações desse tipo de trabalhador.

No que diz respeito às expectativas para 2015, o empresário da construção mostrou-se pessimista em relação ao crédito imobiliário. No entanto, há a percepção de que os lançamentos para média e baixa renda devem se manter proporcionalmente mais elevados como em 2014. Vale observar que o empresário está indicando a predominância desse tipo de empreendimento no mercado imobiliário, o que não representa aumento no total de lançamentos na comparação com o ano anterior. Os empresários também seguem otimistas com relação aos investimentos em novas tecnologias, embora se observe um arrefecimento após o salto das perspectivas observado em 2013. 

Os indicadores sobre dificuldades financeiras e perspectiva de crédito pioraram em relação há um ano. O mesmo ocorreu com a avaliação dos empresários sobre o cenário macroeconômico, cuja percepção negativa continuou se acentuando.


Fonte: SindusCon-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário