Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

terça-feira, 2 de julho de 2013

INCC-M de junho registra alta.

O Índice Nacional de Custo da Construção – M (INCC-M) registrou taxa de variação , em junho, de 1,96%, acima do resultado do mês anterior, de 1,24%. No ano, o índice acumula variação de 5,61% e, nos últimos 12 meses, a taxa registrada é de 7,88%. Os dados são da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

O índice relativo a Materiais, Equipamentos e Serviços registrou variação de 0,58%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,56%. O índice referente à Mão de Obra registrou variação de 3,24%. No mês anterior, a taxa foi de 1,88%. O INCC-M é calculado com base nos preços coletados entre os dias 21 do mês anterior e 20 do mês de referência.

Materiais, Equipamentos e Serviços

No grupo Materiais, Equipamentos e Serviços, o índice correspondente a Materiais e Equipamentos registrou variação de 0,54%. No mês anterior, a taxa havia sido de 0,65%. Dos quatro subgrupos componentes, apenas materiais para estrutura apresentou decréscimo em suas taxas de variação, passando de 0,98% para 0,62%.

A parcela relativa a Serviços passou de uma taxa de 0,19%, em maio, para 0,71%, em junho. Neste grupo, vale destacar a aceleração do subgrupo vale transporte, cuja variação passou -0,40% para 2,24%.
Mão de obra

Mão de Obra

O grupo Mão de Obra registrou variação de 3,24%, em junho. No mês passado, a taxa havia sido de 1,88%. A aceleração foi consequência das datas bases ocorridas em São Paulo e Brasília, cujas taxas passaram de 3,45% para 6,18%, e de 0,00% para 5,28%.

Capitais

Três capitais apresentaram aceleração em suas taxas de variação: Brasília, Porto Alegre e São Paulo. Em contrapartida, Salvador, Belo horizonte, Recife e Rio de Janeiro registraram desaceleração.

Fonte: FGV

Nenhum comentário:

Postar um comentário