Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Indústria da construção civil em retração deste 2014.

Com a queda de 1,9% do Produto Interno Bruto (PIB) no segundo trimestre de 2015, ante aos três primeiros meses deste ano, foi a construção civil o setor que apresentou o menor crescimento da indústria brasileira, com uma retração de 8,4% e uma subtração de -5,5% no acumulado do ano, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).  

Para o Sindicato da Indústria da Construção Civil de São Paulo (SindusCon-SP) o setor produtivo está pagando uma alta conta pelas decisões da União que vão contra os trabalhadores. “Parece que o governo não está preocupado com a recessão tampouco com o desemprego gerado”, afirma o presidente da entidade, José Romeu Ferraz Neto. “Apesar do baixo desempenho do setor, a União ainda vai onerar a folha de pagamento do setor em 125% e quer aumentar a alíquota do PIS/Confins de 3,65% para 9,25% do faturamento”, destaca o empresário.

A pesquisa de emprego do SindusCon-SP, divulgada nessa sexta-feira (28), mostra que a construção civil brasileira registrou queda de 1,29% em julho na comparação com o mês anterior (desconsiderando os fatores sazonais). Essa é a 17ª queda mensal consecutiva. 

Próximos meses

Em razão da piora do ambiente macroeconômico, principalmente dos indicadores como Produto Interno Bruto (PIB), juros, inflação, emprego e câmbio, o SindusCon-SP revisou em agosto suas estimativas para baixo, prevendo uma retração de 7% para o PIB da Construção em 2015 ante os 5,5% projetados anteriormente.


Há também a previsão de que 475 mil vagas com carteira assinada serão cortadas até o fim do ano. “De janeiro a julho de 2015 foram cortados 184,6 mil empregos na construção brasileira em relação a dezembro de 2014. Ou seja, o maior impacto ainda se dará nesse segundo semestre”, diz Romeu Ferraz. “O corte nos postos de trabalho vai se acelerar e gerar um impacto ainda maior no PIB no segundo semestre.”
Fonte: SindusCon-SP

Nenhum comentário:

Postar um comentário