Os mais de 30 mil acessos ao www.reformaeconstrucaodacasa.blogspot.com maximizam o foco na excelência pela informação jornalística de qualidade. Ao optarmos pelo segmento editorial assumimos compromissos como ferramenta imprescindível no empreendedorismo do setor. Dar suporte através de uma comunicação precisa, verídica e direta é responsabilidade e metas desta publicação online. Além dos significativos acessos, opiniões, sugestões ou críticas serão bem-vindas no aperfeiçoamento e consolidação dos objetivos proposto. Sua participação vai estampar a página desta revista como forma de reconhecimento e admiração pelo seu direito de expressão. Comentários através do reformaeconstrucaodacasa@gmail.com

quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Índice de Confiança da Construção.

Índice de Confiança da Construção (ICST), da Fundação Getulio Vargas, recuou 1,2% em dezembro de 2014, ao atingir 96,9 pontos, o menor nível da série iniciada em julho de 2010. Para a Coordenadora de Projetos da Construção da FGV/IBRE, Ana Maria Castelo, a sondagem de dezembro confirma um quadro de diminuição da atividade que veio se acentuando durante o ano. "o fato de as expectativas chegarem ao pior patamar da série mostra que o empresário da construção não está vendo as perspectivas de retomada de forma muito otimista”, observa ela. 

A maior contribuição para a queda do índice em dezembro foi dada pela piora da percepção do empresariado em relação à situação corrente dos negócios: o Índice da Situação Atual (ISA-CST), que havia crescido 2,3%, em novembro, caiu 1,7% neste mês, passando a 88,6 pontos. O Índice de Expectativas (IE-CST) também apresentou recuo, ao passar de 106,1 pontos, em novembro, para 105,1 pontos, em dezembro, variação de -0,9%.

O movimento negativo do ISA-CST foi influenciada pelo quesito evolução recente da atividade, que recuou 3,5% em relação ao mês anterior, atingindo 82,1 pontos – o menor nível da série. Já o indicador que capta a o grau de satisfação com a situação atual dos negócios ficou estável ao atingir 95,1 pontos, com uma variação de 0,1%.

O resultado do IE-CST refletiu movimentos decrescentes dos dois quesitos que o compõem. O que mede a percepção das empresas quanto à situação dos seus negócios para os próximos seis meses exerceu a maior contribuição, ao passar de 112,7 pontos, em novembro, para 111,4 pontos, em dezembro, uma variação de -1,2%. O indicador que capta a expectativa em relação à evolução da demanda para os três meses seguintes apresentou queda de 0,7% na comparação com o mês de novembro, atingindo 98,7 pontos.

Fonte: FGV

Nenhum comentário:

Postar um comentário